Skip to content

Afonso Costa e a Lei da Separação Atacados na Assembleia Constituinte, em 1911

Maio 15, 2011

Por favor: role até ao fim, há espaços em branco no fim de cada ilustração

A Assembleia Constituinte foi um momento revelador da Lei da Separação. Muitos católicos supunham que seria possível obter nela um recuo republicano. Muitos republicanos supunham que seria possível nela fazerem recuar o ministro que escrevera a Lei, Afonso Costa, titular da pasta da Justiça no Governo Provisório.

Entre estes republicanos, destacava-se Eduardo Abreu, que começara a militar no centenário de Camões, era um maçon categorizado e deputado à Assembleia Constituinte.

A caricatura d’A Capital de 27 de Junho de 1911 mostra Bernardino Machado, então ministro da Justiça interino (Costa recuperava de uma doença grave) a «encravar» o mau aluno Eduardo de Abreu, trinta anos atrás, em Coimbra, onde fora professor, e na sessão da Constituinte, na véspera do dia da publicação, em que passara a aluno e fora «encravado» por Abreu. Abreu atacou Bernardino, que defendia as teses de Afonso Costa, embora com mais moderação. A caricatura, uma alusão ao debate parlamentar sobre a Lei da Separação,  toma o partido de Abreu, o que mostra que as teses afonsistas sobre as relações com a Igreja Católica não tinham ainda conquistado a maioria dos republicanos.

Eduardo Abreu criticou a Lei da Separação, na Constituinte. Afonso Costa deu-lhe uma resposta cheia de aspereza, na qual  lhe negava a qualidade de republicano; os seus aliados cercaram Abreu, com ar  ameaçador: vemos os pontapés. A ilustração de Correia Dias, no livro A Forja da Lei, de Braz Burity, sublinhou esta ameaça no desenho abaixo.

Noutra  sessão da Constituinte, Afonso Costa respondeu com rara agressividade ao deputado João de Freitas que, baseado na sua experiência como governador civil de Bragaça,  lhe dissera que a Lei da Separação ameaçava a República, o que contrariava frontalmente a propaganda afonsista. Braz Burity, o talentoso cronista, fez publicar a cena, mostrando o Ministro da Justiça (à esquerda) como atacante.

Anúncios
No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: